sexta-feira, 27 de junho de 2008

Típica aula relapsa

É incrível como a gente estar num lugar tão longe, que nunca se viu, sendo que seu corpo está num local totalmente diferente, o qual você detesta e gostaria muito que pegasse fogo e matasse aquelas pessoas que você tanto odeia.

Ufa! Saiu! Agora, vou tentar aterrizar...

Olho pra frente e, além de ver a cabeça de mais um desmiolado, vejo um monte de orações coordenadas sindéticas e assindéticas. E próximo delas, um cara usando uma camisa social semi-aberta, no objetivo de mostrar um cordão de ouro. Cafona! [Christian Pior mode off]

Em teoria, está todo mundo prestando atenção nessa pessoa de gosto duvidoso. Mas será mesmo? Será que na tem alguém que, como eu, está olhando pra ele e tentando adivinhar o que vai ter pro almoço? E se for realmente só eu, será que eu estou me achando melhor do que os outros? Não. Vou esquecer logo esse questionamento. Como sempre, me sinto a pior das criaturas.

- Cachaça!!!

- Hã!

Oops! Esqueça essa parte. É que eu olhei pra um guri que fala nisso. Voltemos para o contexto.

Estou morrendo de sono. Como sempre, fui dormir depois de uma hora da madrugada, conversando qualquer coisa com qualquer pessoa. Apesar dessa sensação ruim de não poder fazer o que eu quero, me sinto feliz. Pelo menos nesse aspecto. É sempre bom, jogar fora, mesmo que depois eu sempre tenha uns sonhos meio estranhos.

Veio-me um na cabeça agora. Um dia, eu sonhei que estava num show da Pitty, em que ela estava vestida somente com um babydoll cor-de-rosa. E o pior (ou melhor... depende de quem está lendo): Ela estava me dando bola!

Deixe isso pra lá. Que coisa mais lésbica! Ui!

Olho para o lado. Vejo um boletim de um amigo. Nossa! Ele está melhor do que eu! Talvez (?) ele esteja se importando mais do que eu. Sinceramente, estou perdendo o interesse pelas coisas. E não é só pelos estudos, é por quase tudo mesmo, sendo que nos estudos a coisa se agrava mais ainda. Se autismo fosse contagioso, diria que estou pegando.

Agora, o maluco que está na minha frente me pergunta se eu gostei da cueca samba-canção nova dele. Eu mereço! Até nisso eu sou obrigada a opinar.

Olho pra frente novamente. Meu Deus, será que eu mal de professor usar camisa social com o colarinho aberto, exibindo um cordão de ouro? Sim. Pra quem não entendeu ainda, eu estou no colégio agora (Não diga! Eu pensava que você estava num motel!). E acabei de descobrir que só gosto de escrever quando estou com sono, seja por causas naturais ou sintéticas. Causa sintética seria fodástica agora, porque eu seria expulsa dessa porcaria de colégio. Não é uma má idéia, mas não estou a fim de procurar confusão. Agora...

O menino ao meu lado pegou minha apostila. Eu não estou prestando atenção à aula mesmo... É melhor que fique com ele, pra ver se pelo menos eu contribuo pra que alguém entenda a Revolução Francesa. Sei que se eu começasse a ouvir e ler as coisas, eu entenderia, mas não estou com nenhum pingo de vontade. Detalha: As últimas provas do semestre são próxima semana. Meu interesse pelos estudos é espantoso!

Há salvação? Há, claro! Minhas notas não estão tão ruins assim (Eufemismo agora? Que lindo!)! Só não quero perceber que posso voltar a estudar decentemente muito tarde. Nunca tive muita dificuldade na escola, mas esse ano, não sei por que, fiquei desmotivada. Aliás, nunca soube a verdadeira razão para estudar. Acho que percebi que não há um caminho certo, reto.

Ouço uma voz que me diz:

- Você tem que estudar pra ser alguém na vida, menina!

Ok... Mas que tipo de alguém?

Talvez, quando eu descobrir (e me redescobrir) eu volte a ter aquela parte de mim que era boa.

Que não tarde a chegar essa hora.

Um comentário:

[ . ] disse...

hauhsaihasuhsahaui.

Gostei;